21 comentários:

Liliana Cruz disse...

liliana.assuncao.cruz@hotmail.com

agradecia que me dissessem o novo local e algumas das programações que vão ter.

Devo já anunciar que tenho um grupo em Área de Projecto que vai promover vários eventos na nossa cidade e o vosso bar vai também ser anunciado segundo a programação que tenham. Obrigado pelo aviso fico á espera da vossa colaboração.

Liliana Cruz - Escola Secundária João Gonçalves Zarco

disse...

xanamaciel@hotmail.com

Michelle disse...

anjona.mi@gmail.com

ricardo disse...

tolentino02@hotmail.com

Anónimo disse...

rasousa575@msn.com

McKagan disse...

vão sair de lugar? para melhor espero...e será difícil porque o sítio onde estavam era muito bom na minha opinião, por isso tenho pena:/...mas como sou um vosso fã deixo-vos aqui o e-mail com todo o gosto...

mckagan@sapo.pt

Anónimo disse...

aaiafonso@hotmail.com

Diana Ferreira disse...

dianasmferreira@hotmail.com

Anónimo disse...

janokasgarrido@gmail.com

O Puto disse...

Aqui fica o meu: o-puto@portugalmail.pt
Aguardo boas notícias em breve.

.giulieta. disse...

leonoririz@gmail.com

John disse...

joaotatocosta@gmail.com
Espero que corra tudo bem!

Anónimo disse...

voltem depressa porque fazem falta!

mr_abrantes@hotmail.com

Lígia disse...

ligial2000@hotmail.com

Anónimo disse...

reis.map@gmail.com

Pedro disse...

ppcostta@hotmail.com

Anónimo disse...

silvi4_pereir4@hotmail.com

Néme disse...

marciafmmendes@gmail.com

SF disse...

Volto a 27.Fev. Aguardo indicações para chegar ao novo 'Era'.
Beijo

Half disse...

Voltem depressa!

hugoleite1@gmail.com

Anónimo disse...

Cá vai o meu contacto:
pedro.miguel.castro@gmail.com

Tenho a certeza que o novo local vai ser igualmente bom!!!
Abraço,
MC

FOUND IN TRANSLATION


"Recém-chegado e ignorando completamente as línguas do Levante, Marco Polo não podia exprimir-se de outro modo que não fosse com gestos, saltos, gritos de espanto e de horror, latidos ou berros de animais, ou com objetos que ia extraindo dos alforges: penas de avestruz, zarabatanas, quartzos, e dispondo à sua frente como peças de xadrez. De retorno das missões a que o enviava Kublai, o engenhoso estrangeiro improvisava pantominas que o soberano tinha de interpretar: uma cidade era designada pelo salto de um peixe que escapava ao bico do albatroz para cair numa rede, outra cidade por um homem nu que atravessa o fogo sem se queimar, uma terceira por uma caveira que apertava entre os dentes verdes de bolor uma pérola cândida e redonda..." [Calvino, Italo, in As Cidades Invisíveis, 1965] Lugar num Passeio, que se diz[ia] Alegre... por entre o rio d'Ouro e o mar Atlântico, acolhido em setembro de 2005 pela Cidade do Porto: o *Era uma vez no Porto...* não foi contado, nem escrito por Marco Polo, nem traduzido por Kublai, mas podemos [bem] imaginar os símbolos que estes usariam para o descrever... Lugar de mil músicas, mil conversas, reflexões, mil revoluções, amizades, muitos mais amores, mil artes...


Ao nível do mar subiam-se uns degraus; uma sala familiarmente musical recebia os seus viajantes em ambiente aquecido, pronta a servir alguns apetites...


Durante 3 anos acolheu sonhos, em forma de tatuagens, bicicletas, brincos, batons, candeeiros, carpetes, vinis, livros, bonecas, tesouras de cabeleireiro, pinturas, vinho, fotografias, ilustrações, entre muitas outras, que se foram revelando, crescendo, multiplicando, e, também [não fosse este um lugar real], enfraquecendo e morrendo até.


Um certo dia, inevitavelmente, a declaração "a brisa do mar levou-me ao Centro de ti..." transportou o *Era uma vez no Porto...* para o lado mais urbano do coração da Cidade, em busca e em apoio de uma revitalização da Baixa que se anunciava. Ali se instalou, sob um olhar atento de uma Torre de Controlo - a bela e amada Torre dos Clérigos. "Grande responsabilidade", dizia quem espreitava da varanda e sentia, de imediato, o calor daquela que acolhia e recebia uma nova vida no seu tempo, mas também a atitude daquela que também vigia e supervisiona quem tem uma missão importante a cumprir....


Enquanto os ponteiros rodam... as histórias vão continuando a acontecer, as pessoas vão dançando, saltando, gritando, gesticulando, simplesmente comunicando.


Fica a memória, e os sinais que ela preservou, fazendo de todos nós um Marco Polo em modo de tradução.